Aquilo que é amargo para o escravo

Aquilo que é amargo para o escravo é doce para o enamorado.

(Santo Agostinho)